skip to Main Content

Senhor avestruz e sua cara de paisagem – dia 48

Senhor Avestruz-cara De Paisagem

Às vezes eu gostaria de ser um avestruz. Aquele bicho que coloca a cabeça dentro de um buraco, sabe? Queria mesmo era fingir que não estou vendo a bagunça, as briguinhas, o lixo, a louça. Tem horas que seria ótimo, viu! Confesso que gostaria de  aparecesse o Serginho Malandro falando que essa história de COVID-19 e quarentena é mais uma das suas piadinhas sem graça.

Receba dicas e conteúdos sobre gravidez, maternidade e criação de filhos. Compartilhando aprendemos mais

Mas não é! Enquanto tenho que lidar com duas crianças que discutem por conta de um brinquedo e me desconcentram do home office, há pessoas que precisam lidar com o luto de ter perdido alguém para o coronavírus. Faz o meu desejo de ser um avestruz tão frívolo que tenho até vergonha de expressar.

Hoje soube do primeiro caso de óbito por COVID-19 em minha cidade. Assusta pensar que agora não são apenas casos suspeitos e recuperados. Não é apenas na China, Itália ou nos Estados Unidos, está no quintal de casa. Parece que a qualquer momento serei surpreendida com algo que não é o que desejo para nossa família ou para os outros.

Não posso ser um avestruz e fingir que nada disso é real. É preciso olhar para os conflitos e ensinar as crianças a resolverem entre si. Pegar o lixo e colocá-lo para fora. A louça não vai se lavar sozinha e nem a bagunça se organizar como num passe de mágica.

Não adianta soltar as rédeas dessa carroça, é preciso que toda família se una como um time e faça funcionar.

Senhor Avestruz, não adianta fazer cara de paisagem, não! 

❤️ ❤️ ❤️

Ah, e só para título de curiosidade: esses animais não escondem a cabeça dentro de um buraco, não! Segundo uma matéria publicada na Revista SuperInteressante isso é pura lenda que se espalhou devido a dois fatores:

  1. Avestruzes costumam viver em meio a grama alta. Quando eles abaixam o longo pescoço para comer plantas e insetos, a cabeça, pequena, some no meio da vegetação. Quem vê de longe pensa que o bicho se enterrou.
  2. As mamães avestruz põem seus enormes ovos em buracos no solo, e abaixam a cabeça para girá-los durante a incubação. Quando uma fêmea sente um predador se aproximar, ela senta em cima dos ovos e abaixa a cabeça, para que seu corpo seja confundido, a distância, com uma pedra.
Diário de uma mãe em quarentena
1. E agora, coronavírus? – dia 0
2. Mudança na rotina – dia 1
3. Reclusão, agora é mais que real! – Dia 2
4. Home office: Como conciliar a vida de mãe e profissional? – Dia 3
5. Valorizar as pessoas e não as coisas – Dia 4
6. A vida fora do piloto automático – dia 5
7. Meditação de manhã: costume que traz paz – dia 6
8. A ideia do diário da quarentena – dia 7
9. Deus é paz: firmar meus pés na verdade – dia 8
10. Acredite nas promessas de Deus para sua vida – dia 9
11. Ritmo de vida: Encontre o seu durante a quarentena – dia 10
12. Clube das 5 da manhã até na quarentena – dia 11
13. O dia que parecia que não tinha fim – dia 12
14. A sociedade que não existirá mais – dia 13
15. Uma tempestade em dia de sol — dia 14
16. Nada como um dia após o outro – dia 15
17. Home school: desafio imposto pelo coronavírus – dia 16
18. O renovo de um abraço – dia 17
19. Como dispensar o tédio na quarentena? – dia 18
20. O motivo que nos fez sair de casa: vitamina D – dia 19
21. As dores do ócio na quarentena – dia 20
22. Uma arca chamada casa – dia 21
23. Esperança por dias melhores e a Páscoa – dia 22
24. Tradição que marcou a história da humanidade – dia 23
25. Profundas reflexões ou pirações de uma mãe em quarentena! – dia 24
26. Lindos dias de sol para espantar a tristeza da reclusão – dia 25
27. Páscoa em família durante a quarentena – dia 26
28. Segunda-feira nossa de cada semana – dia 27
29. Quando circunstâncias preocupantes invadem a mente – dia 28
30. A loucura virou rotina com o vírus chinês – dia 29
31. 30 dias em quarentena e um novo normal – dia 30
32. As respostas que ninguém tem – dia 31
33. É possível se sentir livre e leve dentro de casa? – dia 32
34. A privação da liberdade não acabou – dia 33
35. Borbulhas – dia 34
36. Vassoura em busca do sindicato – dia 35
37. Aulas práticas de química na maternidade – dia 36
38. Jejum de palavras negativas – dia 37
39. Coisas simples da vida que fazem a diferença – dia 38
40. O olhar da janela: o que ele comunica para você? — dia 39
41. Quarenta dias de um diário de uma mãe em quarentena – dia 40
42. Paciência: a palavra da quarentena – dia 41
43. A brevidade dos nossos dias – dia 42
44. O pesadelo que rende uma noite mal dormida – dia 43
45. Dias e dias: os altos e baixos da quarentena – dia 44
46. Dia do trabalho com a mão na massa – dia 45
47. Limpar a casa e curtir a família – dia 46
48. Boas maneiras começam em casa – dia 47
49. Senhor avestruz e sua cara de paisagem – dia 48
50. Império Lego contra Heartland: quem ganhará? – dia 49
51. A escrita e a quarentena – dia 50
52. Facilidades complicadas, temos! – dia 51
53. Saudades da rotina tranquila – dia 52
54. Um dia exclusivo para as meninas – dia 53
55. Dia das Mães na quarentena – dia 54
56. Quando a falta de perspectiva bate na porta – dia 55
57. Desistir ou não, eis a questão? – dia 56
58. Detalhes contém um grande significado – dia 57
59. Peço licença para um pequeno desabafo – dia 58
60. Mozart e o poder do foco – dia 59
61. Sessenta dias em quarentena – dia 60

Curioso, não é mesmo?

Back To Top