skip to Main Content

Borbulhas – dia 34

Borbulhas Crônica - Amendoin Doce

Assim como uma orquestra começa a tocar suavemente, o fogo abaixo da panela começa a esquentar a água, o açúcar e o amendoim que estão no seu interior. Aos poucos, tímidas borbulhas começam a surgir e trazem certo agito para os amendoins que estavam a repousar tranquilamente na água.
O fogo é incessante e isso não permite que o sossego retorne. Pelo contrário, agita cada vez mais as moléculas aquecidas da água que começam a se misturar às do açúcar. O tempo começa ouvir as vozes inquietas das crianças que querem saber quando a comida ficará pronta e a curiosidade que não quer calar para saber se elas vão gostar. É, tempo, você vai passar, a água secará e em breve elas poderão provar. Enquanto isso, sossega-te, porque as crianças ninguém consegue fazer se acalmar.
Borbulhas intensas surgem, a água passa a ter cor de vinho, aroma forte penetra no ar. Tem cheiro de pipoca grita uma criança salivante. O Tempo apenas sorri e pensa que ela precisa conhecer o sabor doce que esse amendoim pode lhe proporcionar, porque como esse não há outro igual.
O tic-tac do relógio continua sem parar, as tagarelas crianças nem percebem que os amendoins ficam cada vez mais unidos, quase não há mais água e um farelo roxo começa grudar as oleaginosas entre si. Fogo pode se apagar, já fez muito pela nova receita que o Tempo inventa quando tem tempo. Agora é esticar os amendoins doces sobre uma forma para que possam finalmente descansar. Mas, Tempo, é hora de uma história contar para as crianças entreter enquanto o amendoim vai esfriar.
Aninhadas entre cobertores e travesseiros, as tagarelas crianças pegam um livro da prateleira, devagarzinho elas começam a bocejar e sonolentas ficar. Olhinhos pesados começam a se fechar, o tempo por hoje já as cansou.
Tempo apaga a luz, ao sorrir fecha seus olhos em paz e mais um dia terminou. Ah, mas espere! O sol voltará a brilhar e o tic-tac do relógio não pode parar. O fogo aqueceu a panela e algo novo se fez. O tempo passou e mais dia findou. As crianças terão amendoim doce e mais uma vez poderão ouvir as borbulhas de um novo dia. Tempo, o que será que ele consigo trará?

Receba dicas e conteúdos sobre gravidez, maternidade e criação de filhos. Compartilhando aprendemos mais

 

Diário de uma mãe em quarentena
1. E agora, coronavírus? – dia 0
2. Mudança na rotina – dia 1
3. Reclusão, agora é mais que real! – Dia 2
4. Home office: Como conciliar a vida de mãe e profissional? – Dia 3
5. Valorizar as pessoas e não as coisas – Dia 4
6. A vida fora do piloto automático – dia 5
7. Meditação de manhã: costume que traz paz – dia 6
8. A ideia do diário da quarentena – dia 7
9. Deus é paz: firmar meus pés na verdade – dia 8
10. Acredite nas promessas de Deus para sua vida – dia 9
11. Ritmo de vida: Encontre o seu durante a quarentena – dia 10
12. Clube das 5 da manhã até na quarentena – dia 11
13. O dia que parecia que não tinha fim – dia 12
14. A sociedade que não existirá mais – dia 13
15. Uma tempestade em dia de sol — dia 14
16. Nada como um dia após o outro – dia 15
17. Home school: desafio imposto pelo coronavírus – dia 16
18. O renovo de um abraço – dia 17
19. Como dispensar o tédio na quarentena? – dia 18
20. O motivo que nos fez sair de casa: vitamina D – dia 19
21. As dores do ócio na quarentena – dia 20
22. Uma arca chamada casa – dia 21
23. Esperança por dias melhores e a Páscoa – dia 22
24. Tradição que marcou a história da humanidade – dia 23
25. Profundas reflexões ou pirações de uma mãe em quarentena! – dia 24
26. Lindos dias de sol para espantar a tristeza da reclusão – dia 25
27. Páscoa em família durante a quarentena – dia 26
28. Segunda-feira nossa de cada semana – dia 27
29. Quando circunstâncias preocupantes invadem a mente – dia 28
30. A loucura virou rotina com o vírus chinês – dia 29
31. 30 dias em quarentena e um novo normal – dia 30
32. As respostas que ninguém tem – dia 31
33. É possível se sentir livre e leve dentro de casa? – dia 32
34. A privação da liberdade não acabou – dia 33
35. Borbulhas – dia 34
36. Vassoura em busca do sindicato – dia 35
37. Aulas práticas de química na maternidade – dia 36
38. Jejum de palavras negativas – dia 37
39. Coisas simples da vida que fazem a diferença – dia 38
40. O olhar da janela: o que ele comunica para você? — dia 39
41. Quarenta dias de um diário de uma mãe em quarentena – dia 40
42. Paciência: a palavra da quarentena – dia 41
43. A brevidade dos nossos dias – dia 42
44. O pesadelo que rende uma noite mal dormida – dia 43
45. Dias e dias: os altos e baixos da quarentena – dia 44
46. Dia do trabalho com a mão na massa – dia 45
47. Limpar a casa e curtir a família – dia 46
48. Boas maneiras começam em casa – dia 47
49. Senhor avestruz e sua cara de paisagem – dia 48
50. Império Lego contra Heartland: quem ganhará? – dia 49
51. A escrita e a quarentena – dia 50
52. Facilidades complicadas, temos! – dia 51
53. Saudades da rotina tranquila – dia 52
54. Um dia exclusivo para as meninas – dia 53
55. Dia das Mães na quarentena – dia 54
56. Quando a falta de perspectiva bate na porta – dia 55
57. Desistir ou não, eis a questão? – dia 56
58. Detalhes contém um grande significado – dia 57
59. Peço licença para um pequeno desabafo – dia 58
60. Mozart e o poder do foco – dia 59
61. Sessenta dias em quarentena – dia 60

Borbulhas é o primeiro texto que escrevi no estilo crônica. Passa no meu 20 e me conta o que achou!

Back To Top