skip to Main Content

A escrita e a quarentena – dia 50

Escrita E A Quarentena

A escrita é uma paixão que ganhou vida quando iniciei o Mamãe & Cia, era um sonho louco de compartilhar as alegrias e os desafios impostos pela maternidade. Aprendi tanto sobre parto, corpo humano, bebês, desenvolvimento e tantos outros assuntos que nem tinha conhecimento antes de imergir nesse universo. Conheci histórias lindas, mulheres que se tornaram mães guerreiras por seus filhos, que se reinventaram, aprenderam a servir e também a vencer seus próprios medos. 

Receba dicas e conteúdos sobre gravidez, maternidade e criação de filhos. Compartilhando aprendemos mais

Sempre explico que o Mamãe & Cia começou numa época (2010) em que ter blog era sinônimo de diário, nunca imaginei que eu escreveria um confessionário virtual, muito menos em uma situação atípica como essa e que duraria tanto dias. Aliás, em tempos de quarentena, achei relevante compartilhar de forma sistêmica o que se passa na minha caixola. Primeiro, porque é uma maneira de deixar registrado como é estar imersa neste momento histórico e que certamente daqui a dois anos vou esquecer completamente de como foram esses dias. Há tantos altos e baixos aqui, reflexos de TPM, de aprendizados com minhas leituras. Talvez a partir do que relato aqui haja identificação por parte de que lê.

A questão é que vejo a escrita como uma forma de liberdade, de desnudar a alma e de realinhar pensamentos. A corrida de rua também é algo que proporciona isso, mas confesso que não tenho sido a atleta aplicada de dois meses atrás. 

A paixão pela escrita faz com que esse diário aconteça, venço cansaço, o estresse, o sono e às vezes a falta de criatividade. Minha inspiração costuma ser o dia, uma leitura, os questionamentos da mente e de algo que observei. Até pensei em compartilhar esse diário no Wattpad, fiquei insegura porque não sei se esse tipo de conteúdo seria interessante para aquela rede social, também pensei em publicá-lo como livro, depois que tudo isso acabar. Outras vezes tenho vontade de parar de escrever para o blog e me dedicar a um livro. Na verdade, para fazer tanto uma coisa como outra eu preciso de silêncio, é assim que meus pensamentos voam para o papel e a escrita flui.

Eu esperava que a quarentena trouxesse com ela o silêncio, mas pelo contrário, há dúvidas, incertezas, mudanças, trabalho, crianças fazendo bagunça e barulho o tempo todo. Será que a quarentena conseguirá trazer respostas para esses pontos de interrogação? Eu tenho minhas dúvidas, já se passaram 50 dias e eles só aumentam…

 

#dia50

Não sou tipicamente uma leitora de notícias, mas não posso ficar alienada ao que se passa no Brasil e no mundo com relação ao coronavírus. Nesses 50 dias tenho o hábito de espiar por 15 a 30 minutos as principais notícias do que acontece no mundo. Ver que:

  •  são 3 milhões de infectados e mais de 200 mil mortos traz muita tristeza ao coração. 
  • a USP divulgou que o Brasil é o próximo epicentro da doença é preocupante, 
  • e nos EUA começaram a testar a vacina é acreditar em Papai Noel. 
Diário de uma mãe em quarentena
1. E agora, coronavírus? – dia 0
2. Mudança na rotina – dia 1
3. Reclusão, agora é mais que real! – Dia 2
4. Home office: Como conciliar a vida de mãe e profissional? – Dia 3
5. Valorizar as pessoas e não as coisas – Dia 4
6. A vida fora do piloto automático – dia 5
7. Meditação de manhã: costume que traz paz – dia 6
8. A ideia do diário da quarentena – dia 7
9. Deus é paz: firmar meus pés na verdade – dia 8
10. Acredite nas promessas de Deus para sua vida – dia 9
11. Ritmo de vida: Encontre o seu durante a quarentena – dia 10
12. Clube das 5 da manhã até na quarentena – dia 11
13. O dia que parecia que não tinha fim – dia 12
14. A sociedade que não existirá mais – dia 13
15. Uma tempestade em dia de sol — dia 14
16. Nada como um dia após o outro – dia 15
17. Home school: desafio imposto pelo coronavírus – dia 16
18. O renovo de um abraço – dia 17
19. Como dispensar o tédio na quarentena? – dia 18
20. O motivo que nos fez sair de casa: vitamina D – dia 19
21. As dores do ócio na quarentena – dia 20
22. Uma arca chamada casa – dia 21
23. Esperança por dias melhores e a Páscoa – dia 22
24. Tradição que marcou a história da humanidade – dia 23
25. Profundas reflexões ou pirações de uma mãe em quarentena! – dia 24
26. Lindos dias de sol para espantar a tristeza da reclusão – dia 25
27. Páscoa em família durante a quarentena – dia 26
28. Segunda-feira nossa de cada semana – dia 27
29. Quando circunstâncias preocupantes invadem a mente – dia 28
30. A loucura virou rotina com o vírus chinês – dia 29
31. 30 dias em quarentena e um novo normal – dia 30
32. As respostas que ninguém tem – dia 31
33. É possível se sentir livre e leve dentro de casa? – dia 32
34. A privação da liberdade não acabou – dia 33
35. Borbulhas – dia 34
36. Vassoura em busca do sindicato – dia 35
37. Aulas práticas de química na maternidade – dia 36
38. Jejum de palavras negativas – dia 37
39. Coisas simples da vida que fazem a diferença – dia 38
40. O olhar da janela: o que ele comunica para você? — dia 39
41. Quarenta dias de um diário de uma mãe em quarentena – dia 40
42. Paciência: a palavra da quarentena – dia 41
43. A brevidade dos nossos dias – dia 42
44. O pesadelo que rende uma noite mal dormida – dia 43
45. Dias e dias: os altos e baixos da quarentena – dia 44
46. Dia do trabalho com a mão na massa – dia 45
47. Limpar a casa e curtir a família – dia 46
48. Boas maneiras começam em casa – dia 47
49. Senhor avestruz e sua cara de paisagem – dia 48
50. Império Lego contra Heartland: quem ganhará? – dia 49
51. A escrita e a quarentena – dia 50
52. Facilidades complicadas, temos! – dia 51
53. Saudades da rotina tranquila – dia 52
54. Um dia exclusivo para as meninas – dia 53
55. Dia das Mães na quarentena – dia 54
56. Quando a falta de perspectiva bate na porta – dia 55
57. Desistir ou não, eis a questão? – dia 56
58. Detalhes contém um grande significado – dia 57
59. Peço licença para um pequeno desabafo – dia 58
60. Mozart e o poder do foco – dia 59
61. Sessenta dias em quarentena – dia 60

Não estou alheia, mas bem pé no chão e pedindo a Deus que este diário não chegue ao dia 100.

Back To Top