skip to Main Content

Qual a importância do Mês Mundial da Conscientização da Infertilidade?

Segundo levantamento da OMS, 15% da população brasileira sofre com o problema e 1 em cada 5 casais precisa de ajuda especializada

A infertilidade é um problema que afeta muitas pessoas no Brasil e no mundo todo. Segundo a OMS, 15% da população sofre com o problema no país, e 1 em cada 5 casais necessitam de ajuda especializada para conceber. Daí vem a importância de disseminar informações sobre um problema que envolve uma parte tão importante do ser humano: a formação de novas vidas. Por isso, junho foi designado como o Mês Mundial de Conscientização da Infertilidade.

Receba dicas e conteúdos sobre gravidez, maternidade e criação de filhos. Compartilhando aprendemos mais

A necessidade de um período determinado para falar sobre a condição vem da noção de tabu que ela ainda carrega em nossa sociedade, principalmente para os casais que não conseguem engravidar, muitos encarando o problema como uma falha pessoal. “Na clínica muitos de meus pacientes nem chegam a comunicar suas próprias famílias que estão passando por um tratamento do tipo,” comenta Fernando Prado, ginecologista e obstetra, especialista em reprodução assistida.

Isso ainda quando o par afetado procura ajuda junto à um médico, o que não é sempre o caso. “Existe um senso de constrangimento que afeta a família, e já conheci muitos casais que demoraram para me procurar, mesmo depois de anos tentando conceber, por conta disso,” explica.

Prado esclarece que dificilmente sem a ajuda de um profissional, e a análise do material genético de ambos os parceiros, será possível determinar qual é a raiz da infertilidade. O funcionamento dos órgãos de reprodução é complexo e envolve diversos aspectos, tanto físicos quanto emocionais. O parâmetro é que após um ano sem sucesso com a gravidez, é necessário buscar um especialista que fará uma averiguação extensa da saúde do casal.

Isso pode até surpreender muita gente, já que existe também a preconcepção que a infertilidade é um problema que só afeta mulheres, especialmente por conta da falta de informação que temos por vezes sobre o órgão reprodutor feminino.

Mesmo mulheres tendo maior propensão a condições que afetam a concepção, como síndrome do ovário policístico, endometriose ou até mesmo sua idade, que afeta os níveis de fertilidade, segundo outro levantamento da OMS, 40% dos casos de infertilidade no mundo, são ligados aos homens.

“Em geral, homens têm menos zelo pela saúde do que as mulheres,” complementa o especialista. “Fatores como peso e uma alimentação desregrada, ingestão de bebidas alcoólicas e o consumo de tabaco são fundamentais quando falamos de gravidez.”

Mesmo assim ele ainda frisa que é importante não julgar quando há dificuldades para aumentar a família. “Claro, é um período de estresse para os envolvidos, mas alegar culpa a qualquer um dos lados é improdutivo. A união entre as partes é o mais importante num momento de decisões importantes”, explica Prado.

Para ele é essencial ter paciência e manter a tranquilidade. “Pode ser algo simples de se resolver, como um desequilíbrio hormonal que quando corrigido possibilita a concepção,” ele complementa. “Ou até um caso que necessite que os óvulos sejam fecundados em laboratório, um processo mais longo, porém resolutivo da mesma maneira”, esclarece o especialista.

Por isso é tão significativo que a conscientização sobre a infertilidade exista em nossa sociedade, e por consequência sua normalização. Existem diversas soluções disponíveis com o avanço da tecnologia moderna, mesmo que pareça, por conta da carga emocional, algo sem saída. “Não há nada de errado com a dificuldade de conceber, e é mais comum do que parece, porque que muitas pessoas decidem não falar sobre suas experiências. Procurando ajuda especializada, sua vida e a do seu parceiro serão bem menos cansativas,” finaliza Prado.

 

Fernando Prado – Médico ginecologista e obstetra, especialista em reprodução humana, doutor pelo Imperial College London e pela Universidade Federal de São Paulo, diretor técnico da Neo Vita e diretor do setor de embriologia do Labforlife.

Back To Top