skip to Main Content
Receba dicas e conteúdos sobre gravidez, maternidade e criação de filhos. Compartilhando aprendemos mais

Como não surtar a cabeça depois que você é mãe?

Como Não Surtar A Cabeça Depois Que Você é Mãe?

Se você descobrir uma receita infalível para que você não surte depois que você é mãe, me conta! Vai me dizer que você estava esperando uma resposta pronta e milagrosa? Sinto muito lhe dizer: não tenho! Confesso que ainda estou aprendendo a organizar minha vida, minha mente, nossa casa e família. E isso, não funciona como uma receita de bolo, coloca o açúcar com a gema e bate bem para depois colocar outros ingredientes.

Receba dicas e conteúdos sobre gravidez, maternidade e criação de filhos. Compartilhando aprendemos mais

Deus fez cada ser humano de forma singular, e assim são as famílias: ÚNICAS em sua totalidade. Assim como não existe nenhuma pessoa igual a outra, mesmo quem é gêmeo idêntico suas impressões digitais e personalidades serão diferentes. Não existe nenhuma família igual a outra. E é bem comum as pessoas falarem sobre “cada família tem seu próprio problema”.

Bom, segundo pesquisas do psicólogo Kevin Leman, em seu livro Acabe com o estresse antes que ele acabe com você, publicado pela Editora Mundo Cristão, aqui no Brasil, ele fala nesse livro que há seis principais fatores estressantes na vida de uma mulher (que trabalha fora ou não)

  1. Filhos
  2. Tempo
  3. Marido
  4. Dinheiro
  5. Casa
  6. Carreira

 

Nessa ordem mesmo: Filhos, tempo, marido, dinheiro, casa e carreira. Isso que segundo seus dados, cerca de 72% das mulheres que responderam a pesquisa trabalham fora, ou seja, possuem de fato uma carreira no mercado tradicional.

Qual a mãe que nunca perdeu as estribeiras e falou mais do que devia? Quem nunca se sentiu culpada por ter esquecido do lanche do filho, do trabalho de escola ou do chinelo que deveria estar na mochila? Eu já surtei a cabeça, e você?

Quando temos a possibilidade de conversar com outras mães, percebemos que só muda o endereço, os filhos são fatores estressantes, o tempo, o marido, casa e o fato de ficarem ou não em casa também, até porque de dinheiro, elas dificilmente irão falar, né! Entre risadas, reconhecimentos encontramos a empatia. Nos identificamos e nos sentimos mais leves.

Contudo, o problema não deixou de existir. Os fatores estressantes não mudaram porque nossas amigas passam pelas mesmas dificuldades que nós. Encontramos consolo.

Mas de fato, precisamos encontrar uma maneira de viver sem surtar a cabeça com esses seis fatores estressantes. O livro do doutor Leman me ajudou a perceber que tudo é questão de prioridades. Acredite! 

Eu lia e ficava pensando mas como vou deixar de fazer tal e tal coisa? Como vou dizer não? As pessoas ficarão chateadas comigo. 

Ainda na Live do Instagram falei, muitas vezes as pessoas invertem a prioridade dentro do círculo familiar e isso causa uma série de conflitos, porque o marido não recebe a devida a atenção e a mulher concentra sua energia toda nos filhos. Ele que deveria ajudá-la com alguma coisa seja com o banho, jantar, roupas e etc, resolve assistir TV e esperar a comida ficar pronta e o bebê limpo e quieto.

Claro, muitas vezes precisamos ajudar nossos maridos a nos ajudarem. Precisamos falar (com delicadeza) que a ajuda deles para dobrar as roupas íntimas é bem vinda. E aos poucos solicitando pequenas tarefas, até que se torne costume ele dividir as tarefas, principalmente quando os dois trabalham fora.

Por mais que você queira dar conta de tudo e ter o total controle sobre os malabares em suas mãos, uma hora você vai cansar e vai surtar a cabeça.

Por que surtar a cabeça é ruim para você!

“Uma das contribuições básicas de Seyle para nossa compreensão acerca do estresse foi aquilo que o autor chamou de ‘síndrome de adaptação geral’ (SAG) inclui três estágios: Alarme, resistência e exaustão”. P.24

Ele explica que o nosso corpo foi projeto para responder ao estresse dessa forma. Pensa nos primórdios da humanidade, quando eles percebiam uma ameaça era como se um alarme ligasse. É fisiológico e está intimamente ligado aos hormônios que circulam em nosso corpo. Hoje ficamos o tempo todo em alerta, como se houvesse ameaças a todo momento. Isso é extremamente exaustivo, tanto que a palavra da moda virou “Burn out”, as pessoas pifam, entram em um esgotamento profundo que chegam a precisar ficar hospitalizadas para recuperar suas forças. O corpo fala, até que ele pára.

Há muitas mães em estados de exaustão completa porque se sentem responsáveis por tudo! Levar, buscar, lembrar, pegar, limpar, lavar… Fazem tudo por todos que esquecem delas mesmas.

A agenda cheia é um fato que suga muita energia. Você precisa de um tempo de ócio. Seus filhos precisam de um tempo de ócio. Não enche seu contraturno escolar de atividades e mais atividades, permita que ele não faça nada alguns dias para que possa descansar e se desconectar também. 

Você precisa de um dia para você. Nem que seja para ficar de pernas para o ar, se não consegue isso em casa, vá até uma livraria e fique deitada no puff pensando na vida, respirando ou lendo um livro. 

Quando a mulher está com a mente em ordem, a casa flui melhor. 

Faça algumas listas, mas não se torne escrava delas. Não coloque tantos itens nela que você não consiga cumprir. Faça listas para se organizar, melhor o pouco concluído, do que o muito não feito com remorso. 

Não é uma tarefa fácil, mas também não é impossível. Estou aprendendo a dizer não… e você também pode aprender a cuidar mais de si e re-estabelecer suas prioridades para não surtar.

 

Ficou curiosa para saber mais sobre como não surtar a cabeça depois que você é mãe, super recomendo a leitura do livro do psicólogo Kevin Leman – Acabe com o estresse antes que ele acabe com você.

Back To Top