skip to Main Content
Os Limites Na Educação Da Criança

Os limites na educação da criança

No assunto de hoje iremos abordar um tema de fundamental importância que percebo na atualidade, no consultório, se referindo a educação de crianças, que são os limites. Cada vez mais as dificuldades que os pais encontram em saber utilizar esta ferramenta para a auxiliar seus pequenos no desenvolvimento parece que vem crescendo.  Como e quando saber a hora de dizer sim e a hora de dizer não?

A culpa paterna

pai culpa

A falta de limites por parte dos pais cria crianças que pensam ter o poder nas mãos. Elas acham que podem fazer tudo, sem ter que pagar pelas consequências de seus atos. Infelizmente, muitas crianças nunca ouviram um não de seus pais, e isso traz muitos prejuízos para o seu amadurecimento. Pois, dessa forma, elas não aprendem a conviver com as frustações.

Ao dizer não, muitos pais ficam se sentindo culpados. Na tentativa de diminuir o sentimento de culpa concedem aos filhos um poder de decisão e escolha por coisas que conseguem fazer na infância. Perguntam onde querem jantar, o que querem comer, para onde querem ir, onde querem sentar. Crianças ainda não conseguem fazer esse tipo de reflexão, de saber o que é bom para si.

Limites são uma forma de expressar amorCriança-brincando-de-voar

A tendência é de que crianças e adolescentes que vivem sem limites, não sintam-se amados. Sentem como se os pais não se importassem com eles, uma vez que não se importam com o que eles fazem. Inseguros afetivamente usam do mau comportamento para chamar a atenção dos pais.

É função dos pais a responsabilidade de decidir, orientar e falar um “não”, com firmeza quando necessário e de ter paciência com seus filhos. É imprescindível que os pais ajam em sintonia na educação dos filhos, sendo assertivos e utilizando do bom senso. Com isso a criança poderá aprender valores importantes e necessários para sua vida adulta, compreendendo a importância de ser solidária, de partilhar, de respeitar a si mesma e aos outros, de ter compromisso e responsabilidades com seus atos.

Saliento a importância dos pais entenderem que não podem abster as crianças das frustrações, pois é dessa forma que elas amadurecem e se tornam aptas para enfrentar a vida, tornando-se jovens e adultos saudáveis e seguros.

No livro “Limites sem trauma”, de Tania Zagury, a autora desmistifica o que é e o que não é dar limites.

Dar limites é…limites1

  • Ensinar que os direitos são iguais para todos;
  • Ensinar que existem OUTRAS pessoas no mundo;
  • Fazer a criança compreender que seus direitos acabam onde começam os direitos dos outros;
  • Dizer “sim” sempre que possível e “não” sempre que necessário;
  • Só dizer “não” aos filhos quando houver uma razão concreta;
  • Mostrar que muitas coisas podem ser feitas e outras não podem ser feitas;
  • Fazer a criança ver o mundo com uma conotação social (conviver) e não apenas psicológica. Exemplo: o meu desejo e o meu prazer são as únicas coisas que contam;
  • Ensinar a tolerar pequenas frustrações no presente. Então, no futuro, os problemas da vida possam ser superados com equilíbrio e maturidade. A criança que aprende hoje a esperar sua vez de ser servida à mesa amanhã, não considerará um insulto pessoal esperar a vez na fila do cinema ou aguardar três ou quatro dias até que um chefe dê um parecer sobre sua promoção;
  • Desenvolver a capacidade de adiar satisfação. Exemplo: se não conseguir emprego hoje, continuará a lutar sem desistir. Caso não tenha desenvolvido esta habilidade, agirá de forma insensata e desequilibrada, partindo, por exemplo, para a marginalidade, o alcoolismo ou a depressão;
  • Evitar que seu filho cresça achando que todos no mundo têm de satisfazer seus mínimos desejos e, se tal não ocorrer, não saber lidar bem com a contrariedade. Tornando-se, aí sim, frustrado, amargo ou, pior, desequilibrado emocionalmente;
  • Saber discernir entre o que é uma necessidade dos filhos e o que é apenas desejo;
  • Compreender que direito à privacidade não significa falta de cuidado, descaso, falta de acompanhamento e supervisão às atividades e atitudes dos filhos, dentro e fora de casa;
  • Ensinar que a cada direito corresponde um dever e, principalmente…
  • Dar o exemplo. Quem quer ter filhos que respeitem a lei e os homens tem de viver seu dia-a-dia dentro desses mesmos princípios. Ainda que a sociedade não tenha apenas indivíduos que agem dessa forma.

Dar limites NÃO é…Angry mother sitting with her daughter on the sofa

  • Bater nos filhos para que eles se comportem. Quando se fala em limites, muitas pessoas pensam que significa aprovação para dar palmadinhas, bater ou até espancar;
  • Fazer só o que vocês, pai ou mãe, querem ou estão com vontade de fazer;
  • Ser autoritário. Dar ordens sem explicar o porquê. Agir de acordo apenas com seu próprio interesse, da forma que lhe aprouver, mesmo que a cada dia sua vontade seja inteiramente oposta à do outro dia, por exemplo;
  • Deixar de explicar o “porquê” das coisas, apenas impondo a “lei do mais forte”;
  • Gritar com as crianças para ser atendido;
  • Deixar de atender às necessidades reais (fome, sede, segurança, afeto, interesse) dos filhos, porque você hoje está cansado;
  • Invadir a privacidade a que todo ser humano tem direito;
  • Provocar traumas emocionais. Toda criança tem capacidade de compreender um “não” sem ficar com problemas. Desde que, evidentemente, tenha razão de ser e não seja acompanhado de agressões físicas ou morais. O que provoca traumas e problemas emocionais é, em primeiro lugar, a falta de amor e carinho, seguida de injustiça, violência física. Bater nos filhos é uma forma comum de violência física, que, em geral, começa com a palmadinha leve no bumbum, humilhações e desrespeito à criança.

 

Os limites ajudam a formar a estrutura da personalidade dos filhos e portanto, devem ser aplicados com todo cuidado. Com certeza não é uma tarefa simples, além de ser de muita responsabilidade, faz parte da educação de um filho. Dar limites é amar, é oferecer cuidado e se importar!

CRP 12/13845
Psicóloga Clínica, cursando Especialização e Pós-graduação em Psicodrama pela Locus – Florianópolis/SC.
Conta em seu currículo cursos e palestras nas áreas de Desenvolvimento Infantil, Neuropsicologia, Estresse e Psicologia. Atua com crianças, adolescentes e adultos em Jaraguá do Sul/SC. Realiza palestras e orientações para pais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top