Quando eu paro pra pensar no assunto… Penso que vai muito além do não ao trabalho infantil. A maior parte das crianças hoje crescem cercadas de tecnologias e o mais incrível é que elas sabem mexer, fuçar e futricar cada uma apresentada à elas. Meu filho não é diferente e está sob essa influência sim, porque faz parte da realidade atual. Porém, muitas vezes fico pensando no excesso que as crianças estão sendo expostas.

Sim: sendo expostas. Porque elas não sabem dosar, não sabem até que ponto é bom ou ruim. Somos nós pais que deixamos que eles assistam TV porque, afinal de contas, estamos tão cansados que fica difícil sair do sofá, sentar no chão e empilhar blocos e assoprar como o lobo mau faz com a casa dos porquinhos…

Sabe o que eu lembro de uma infância saudável? Correr, brincar de pega-pega e esconde-esconde, fazer cabaninha com as cadeiras e brincar de boneca lá em baixo. Cresci numa casa que tinha no quintal: galinha, peru, cachorro, papagaio, periquito e ainda uma horta cheia de cenoura, alface, moranguinho, tomate… lembro do pé de maçã, pêssego e na vizinha tinha pêra… que rendia muitas sopas gostosas!

Minha perna é cheia de cicatrizes… Sei a história de cada uma, e toda vez que me machucava já sabia certinho como cuidar!

Quando me mudei pra casa que eu moro hoje, foi a primeira casa depois de quase 20 anos… Tinha um mato (com hortelã e tomatinhos) e meu objetivo era fazer uma pequena horta pro meu filho criar o prazer. Nostalgia de mãe, eu sei! Na minha infância era uma coisa legal e quero proporcionar isso pra ele também!

Convenhamos, na selva de pedra que vivemos,falta muito o contato com a natureza:

Vovó nas fotos e a dona Teresa com a mão na massa!

 

 

Ajudou a plantar, a cavar (como o Mickey faz!), brincou na terra… Pra uma criança isso são coisas que ficam marcadas pra sempre… E ah… tem um monte de minhoca!!!

Alegria total!!!

 

Mãe do Cauê e da Catarina 🙂





Comente

Confira também