skip to Main Content
Receba dicas e conteúdos sobre gravidez, maternidade e criação de filhos. Compartilhando aprendemos mais
Como Conviver Com A Diversidade?

Como conviver com a diversidade?

Segundo o IBGE, cerca de 6,7% da população brasileira têm alguma deficiência, visto que as escolas estão cada vez mais inclusivas, como conviver e aprender com a diversidade, bem como respeitá-la? Meu filho estuda em uma escola que é inclusiva tanto física quanto intelectualmente e isso nos faz conversar em casa, muitas vezes.

Afinal de contas, no deparamos com pessoas com deficiências sensoriais e motoras, síndromes, altas habilidades/superdotação ou transtornos de desenvolvimento – e se não sabemos como devemos agir, podemos agir de forma errada pela falta de conhecimento.

O diretor editorial da Editora Positivo, Joseph Razouk Junior, coordenou um projeto que resultou no guia de acessibilidade “Hora de Incluir: primeiros passos para a inclusão no contexto educacional”. Muitas das dicas contidas no material podem ser aplicadas não apenas em sala de aula, mas no nosso dia a dia, uma vez que as instituições educacionais refletem a diversidade humana que existe na sociedade.

 

Algumas das dicas abordadas:

  • Cuidado: a palavra “especial” pode ser interpretada de maneira pejorativa devido ao senso comum que não reconhece a capacidade de pessoas com alguma diferença. Mas não se sinta constrangido ao falar que uma pessoa é cega, pois esse é um dos termos adequados para se referir às pessoas com essa deficiência. Utilizam-se hoje os termos “cego”, “pessoa cega”, “pessoa com deficiência visual” e “deficiente visual”. Já o termo “deficiência mental” não é mais utilizado desde 1995, sendo substituído por “deficiência intelectual”.
  • Não confunda: atenção à pessoa com deficiência ou transtorno é diferente de superproteção, como se ela fosse extremamente frágil ou vulnerável. É importante não rotular a pessoa, não sentir pena dela, não impedir que interaja com os outros, nem torná–la vítima quando não conseguir realizar alguma atividade.
  • Outra tendência não recomendável é colocá–la em uma situação de destaque exagerado, com privilégios e isenção de regras de bom comportamento, como se fosse um “herói da superação”. Essas formas de tratamento não trazem nenhum benefício à pessoa, somente a deixam marcada como mais diferente, criando dificuldades maiores para sua inclusão e seu desenvolvimento.
  • Ao falar sobre a pessoa, converse diretamente com ela – e não se dirigindo à alguém da família ou acompanhante.
  • Pergunte se a pessoa precisa de ajuda antes de ajudar.
  • Cada um tem sua especificidade e sua forma de lidar com ela. Assim, não é errado dizer que você não sabe a melhor forma de ajudar ou pedir à pessoa que o oriente sobre como gostaria de ser ajudada.
  • Nunca subestime a eficiência de uma pessoa com deficiência e nem superestime as dificuldades. Ter uma deficiência não faz com que a pessoa seja melhor ou pior, somente impõe a necessidade de algum tipo de adaptação.
  • Respeite o tempo de falar da pessoa sem ficar interrompendo ou tentando adiantar a sua fala.
  • Não se espante com a falta de um membro e/ou a falta de mobilidade. Evite focar as características que são consequência direta da deficiência e observe e valorize as potencialidades da pessoa.

Como é para vocês abordarem esse assunto em casa? Seus filhos convivem com pessoas que têm alguma deficiência? Compartilhe conosco a sua experiência com a diversidade!

This Post Has 2 Comments
  1. O texto está maravilhoso, mas na real a escola dizer que é inclusiva é uma coisa totalmente diferente de Ser e vivenciar a inclusão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top