skip to Main Content
Sangramento Na Gravidez – O Que é Normal E O Que Não é?

Sangramento na gravidez – O que é normal e o que não é?

Qualquer tipo de sangramento na gravidez é aterrorizante, mesmo para a mamãe mais equilibrada. A boa notícia: Embora a localização ocorra em quase um terço de todas as gestações, ela geralmente não representa uma ameaça à mãe ou ao bebê.

É comum que uma pequena porcentagem de mulheres grávidas tenha manchas de sangue após a relação sexual, por exemplo, e outras possam ter sangramento por motivos que não têm nada a ver com a gravidez, como alterações na parede vaginal. A grande maioria das manchas é inofensiva, mas o sangramento, não importa quão escasso seja, pode ser indicativo de uma variedade de complicações, incluindo aborto espontâneo, gravidez ectópica e placenta prévia e, portanto, nunca deve ser ignorado.

Você vai saber as várias razões pelas quais pode acontecer um sangramento durante a gravidez, bem como dicas para comunicar eficazmente seus sintomas ao seu ginecologista.

Sangramento na gravidez – 20 primeiras semanas

Os médicos estimam que 25 a 40 por cento das mulheres experimentaram algum sangramento vaginal durante o primeiro trimestre da gravidez e, com maior freqüência, a gravidez irá progredir de forma totalmente normal.

De acordo com a American Pregnancy Association, existem várias causas possíveis de manchas ou sangramentos inócuos na primeira metade da gravidez, incluindo:

  • Sangramento do implante (nidação), que ocorre cerca de 4 semanas após a gravidez, quando o óvulo fertilizado se liga à sua parede uterina;
  • Mudanças hormonais;
  • Relações sexuais;
  • Infecções;
  • Exame interno feito pelo seu obstetra

Às vezes, sangramento durante a primeira metade da gravidez pode ser um sinal de uma condição mais séria, como:

Hemorragia subcoriônica

É quando o sangramento acontece ao redor da placenta. Embora seja possível continuar com uma gravidez normal após esse tipo de sangramento, o diagnóstico e o tratamento imediatos são vitais. A maioria das hemorragias subceloriônicas se resolve, mas coloca a mulher em um risco maior de outras complicações, como o trabalho de parto prematuro.

Gravidez química

Isso acontece quando um óvulo é fertilizado, mas nunca é totalmente implantado no útero.

Aborto espontâneo (ameaçado ou iminente)

É a perda espontânea de uma gravidez nas primeiras 20 semanas. Muitas vezes, o sangramento ou mancha que ocorre durante um aborto espontâneo será acompanhado por outros sintomas, como cólicas ou dor abdominal.

Gravidez ectópica

Ocorre quando um óvulo fertilizado se implanta em algum lugar que não seja o útero, mais frequentemente em uma tuba uterina. Às vezes chamada de gravidez tubária, uma gravidez ectópica não pode progredir normalmente e pode ser fatal para a mãe se não for diagnosticada.

Gravidez molar

É uma gravidez não viável caracterizada por um crescimento anormal na placenta e, geralmente, um feto anormal.

 

Qualquer sangramento vaginal durante a gravidez pode ser um sintoma de um problema maior, por isso é importante que você procure seu médico imediatamente. Esteja preparado para dar informações sobre a quantidade de sangue que você perdeu e uma descrição de como você está se sentindo de modo geral.

Se você tem algum sangramento vaginal que faz você se sentir fraco ou absorve através de um absorvente ou se ele é persistente e acompanhado de dor e febre é motivo para procurar a unidade de saúde mais próxima e fazer uma ligação para seu ginecologista.

Sangramento nas últimas 20 semanas de gravidez

Embora o risco de aborto espontâneo (conhecido como natimorto após as primeiras 20 semanas) diminua bastante após o primeiro trimestre, e muitas das complicações precoces não são mais um fator (como gravidez ectópica e molar), sangramento durante a segunda metade da gravidez deve ser levado muito a sério, especialmente se estiver em andamento.

Causas de sangramento na segunda metade da gravidez incluem:

  • Relações sexuais
  • Verificações cervicais, especialmente no final do terceiro trimestre, quando se tornam mais freqüentes
  • Placenta prévia, que é quando a placenta cobre o colo do útero parcialmente ou completamente

Descolamento de placenta

Isso acontece quando a placenta se rasga da parede do útero, pode causar sangramento vaginal severo e é uma ameaça à mãe e ao bebê.

Segundo a Academia Americana de Médicos de Família, um descolamento prematuro da placenta é a causa mais comum de sangramento grave no final da gravidez. A condição é rara e ocorre apenas em cerca de 1% de todas as gestações.

Trabalho de parto prematuro

O trabalho de parto prematuro, no qual o sangramento vaginal é acompanhado por cólicas ou contrações, diarréia, pressão pélvica ou dor nas costas antes de 37 semanas, pode ter sérias repercussões para o bebê se não for administrado.

Após 37 semanas, esses sintomas podem ser um começo normal para o parto.

Não importa quando ocorra, qualquer sangramento na gravidez justifica um telefonema para seu médico, mesmo que apenas para confirmar que nada está errado. Esteja preparado para responder perguntas detalhadas sobre a cor, a quantidade e o tempo do sangue, a fim de melhor ajudar seu médico a determinar a causa possível.

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey’s Anatomy!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top