skip to Main Content

Riscos da Infecção no Trato Urinário (ITU) em gestantes

Professora Doutora da UNIFRAN explica quais são os sintomas, tipos de infecções e cuidados a serem tomados

A infecção no trato urinário, conhecida pela sigla ITU, é algo que muitas pessoas já tiveram ou irão ter ao longo da vida, mas que se não tratada, pode gerar sérias consequências, especialmente em pacientes gestantes. É o que alerta a professora Dra. Cristiane F. Tavares, dos Cursos de Graduação de Biomedicina e Medicina da Universidade de Franca – UNIFRAN, instituição que integra o grupo Cruzeiro do Sul Educacional.

Receba dicas e conteúdos sobre gravidez, maternidade e criação de filhos. Compartilhando aprendemos mais

A ITU consiste em uma infecção que atinge um ou mais componentes do trato urinário que é composto de: dois rins, dois ureteres, uma bexiga, e uma uretra.  Ela pode ser assintomática ou sintomática, sendo alguns dos sintomas: desejo forte e persistente de urinar, sensação de queimação ou ardência ao urinar, conhecido como disúria, além da urina apresentar aspecto turvo e com mau odor.

Especialmente em grávidas é preciso ter atenção redobrada a uma possível ITU, já que é um problema comum nesse período, como explica a Dra. Professora Cristiane: “No decorrer da gravidez, fatores hormonais, como a presença da progesterona reduz a contração involuntária dos ureteres e a compressão do útero provocando um represamento de urina; além de mudanças anatômicas e fisiológicas, como o pH urinário mais alcalino, também colaboram para ocasionar modificações no trato urinário da gestante possibilitando assim as ITUs”, diz.

Há três tipos de infecções do trato urinário, bacteriúria assintomática, cistite e pielonefrite. A bacteriúria assintomática caracteriza-se pela colonização bacteriana do trato urinário, onde não há manifestações clínicas (sem sintomas), necessitando assim de exames laboratoriais para a sua identificação, por isso a importância do acompanhamento médico pré-natal. A cistite e a pielonefrite são classificadas quanto a localização da infecção, podendo ser chamadas de baixas ou altas. As baixas se referem às infecções que acometem a bexiga e a uretra, identificadas como cistites. As altas podem acontecer nos rins, também chamadas pielonefrites.

Durante a gravidez, as complicações que podem ocorrer relacionadas a ITU são anemia, bacteriúria, choque séptico, insuficiência renal, hipertensão e pré-eclâmpsia. Entre as complicações perinatais incluem a restrição de crescimento intra-útero, baixo peso do recém-nascido, ruptura prematura de membranas amnióticas, paralisia cerebral ou retardo mental, parto prematuro e o óbito perinatal.

Já em relação ao Coronavírus, essa combinação de infecções pode ser ainda mais perigosa, como explica a professora: “Dados recentes relataram que pacientes infectados pelo SARS-COV2 podem desenvolver um quadro de inflamação denominado nefrite túbulo-intersticial, pois uma das portas de entrada do vírus SARS-COV-2, nas células, seria através da enzima que se encontra em vários órgãos, inclusive nos rins. Ainda não há um pleno conhecimento, porém, relatos já demonstraram a presença do vírus nos rins, em análises pós-morte, com a presença de RNA viral na urina”, diz Cristiane Tavares.

Para a prevenção desse tipo de infecção, a doutora recomenda e reafirma a importância do acompanhamento médico pré-natal em pacientes gestantes.

Back To Top