Para o post de hoje convidei a Thamy para compartilhar seu relato de parto. Encontrei ela  no Instagram, @esperancaposperda, quando li o relato de parto dela na rede social fiquei emocionada. Uma pessoa guerreira que não teve um dos partos mais fáceis. Mas depois da perda da sua primeira filha, imagino o quanto ela se sente agradecida à Deus por estar com o João em seu colo, que a cada dia cresce mais saudável e lindo.

Relato de parto normal da Thammy, Mãe do João

Depois da perda da Ana, minha primeira filha,  eu me preparei pra engravidar novamente e fiz tudo que pude para garantir que não passaria por aquilo novamente, testes genéticos, baterias de exames, dieta saudável, academia, terapia. Depois de um tempo tentando, engravidei na noite de aniversário do maridão.

Meu 1°trimestre passei um pouco mal como já era de se esperar, mas bem menos que na primeira gravidez. Eu vivia sonhando que ia ter um menino e com 12 semanas, no ultrassom da translucência nucal já descobrimos o sexo, nosso menino.

No 2° trimestre tudo se acalmou um pouco, os enjoos diminuíram e o sono também, o bebe crescia e ficava cada dia mais lindo. Depois que passamos do tempo equivalente ao que perdi minha primeira filha, foi um misto de alivio com saudades dela. Eu estava ansiosa para o ecocardiograma que faríamos em agosto, o exame mais importante, pois saberíamos como estava o coração dele. Até que no ultrassom de Julho nosso médico percebeu uma “golf boll” no coraçãozinho, quase enfartei..

Começamos o 3° trimestre confirmando que o coração estava perfeito com 2 ecos. Mas nessa fase eu já estava me sentindo muito pesada e a barriga começou a baixar muito cedo, com 30 semanas, no meu pré natal a medica viu que o colo estava mole e aberto 3 cm. Ela me tranquilizou e eu comecei a tomar Ultragestan, fiquei de repouso absoluto e tomei muita água. Três semanas depois entrei em trabalho de parto a primeira vez, com contrações e sangramentos, lá me deram duas doses de corticoide para amadurecer o pulmão do bebe, fiquei internada cinco dias tomando Nifidipina e em observação, completei 34 semanas lá dentro e como tudo acalmou fui liberada; pois eles já não podiam fazer mais nada, se o bebe tivesse que nascer, nasceria.

Eu fiquei tanto tempo de repouso que já não aguentava, mas também não podia fazer muita coisa pois sentia muita dor e como sou alérgica a remédios para dor tinha que aguentar na raça mesmo. Foram cinco semanas de muito amor e dedicação porque só quem já passou por algo assim sabe que não é fácil; as vezes parecia que ia enlouquecer de tanta dor.

relato de parto normal

Com 39 semanas como meu colo já estava aberto à mais de dois meses, as dores insuportáveis e a curva de alimentação do João dentro de mim estava caindo, resolvemos induzir o parto já que era o melhor para mim e para o bebe. Minha obstetra me orientou que o melhor para ele seria o parto normal, mas eu poderia escolher cesárea também. Eu estava nervosa, mas um nervoso bom pois ia conhecer meu amorzinho.

Escolhemos a melhor maternidade de BH, chegamos cedo e já estava tudo certo, fui internada as 8h da manhã e começamos a indução, conferimos o coração do bebe para confirmar que poderia ser normal. Foram doze horas sem comer e bebendo um pouquinho de água só; agachei, andei tomei banho quente na bola de pilates; fiz tudo para o colo abrir logo, com 8 cm de dilatação tomei a primeira anestesia e já fiquei com o tubinho para caso de precisar novamente…

Às 19:30 da noite cheguei a 10 cm e fomos para a sala cirúrgica, foi um parto difícil, pois já estava cansada de fazer força e nada, era como se o bebê fosse sair mas fosse puxado de volta para dentro, colocaram uma sonda até a minha bexiga para ver se ajudava; o bebê acabou preso no meio do caminho. Eu comecei a sentir que ia desmaiar, o efeito da anestesia passou e os batimentos do João foram caindo de pressa. Uma médica ficou perto do meu rosto conversando comigo e disse que eles teriam que colocar o fórceps. Eu chorava muito pois já não suportava a dor e tinha chegado a exaustão.

Eles me deram um pico, e eu disse que a anestesia tinha acabado, eles chamaram o anestesista, mas não podiam esperar tinham que salvar o bebe; enfiaram o fórceps e abriram ele dentro de mim para abrir a passagem, eu senti tudo rasgando, então eles colocaram na cabeça do bebe e puxaram foi tudo muito rápido, mas para mim pareceu em câmera lenta. Depois disso o anestesista chegou e aplicou rapidamente mais uma anestesia na coluna, e como não fez enfeito e eu sentia a agulha entrando tiveram que aplicar mais uma na minha coxa.

thamy e joão

Enquanto eles tiravam o bebê e u vi uma névoa branca enchendo a sala, conforme ela vinha na minha direção, por onde passava tudo sumia, eu só ouvia era a voz distante da médica que ficou falando perto do meu rosto, palavras longe que ecoavam dizendo: Thamy aguenta firme, fica com a gente, seu filho precisa de você, já estamos quase lá, fica com a gente…. Diferente dos filmes, nada passou na minha mente ali, eu só senti uma paz grande, me senti flutuando, eu não queria desistir, mas já estava cansada demais e lutar de repente não fazia mais sentido. Meu marido tinha assistido a tudo isso do meu lado, não sei como ele teve forças, ele sabia que tinha algo errado, via o  rosto dos médicos e tudo que ele fez foi pedir a ajuda de Deus.

Tudo ia sumindo e teto parecia brilhar, eu me sentia saindo de dentro de mim, como o fogo de uma vela que alguém sopra, quando eu senti algo no meu colo, eles colocaram minha mão sobre ele pois eu não tinha forças, aqueles dedinhos pequenos seguraram minha mão e eu fui voltando devagar e chorei como um bebê.

Colocaram em cima de mim ainda roxo e começaram os primeiros cuidado ali mesmo, depois de poucos minutos ele começou a chorar baixinho, ele estava inchado e no rosto a marca do ferro. Os pequenos dedinhos se agarravam ao meu dedo indicador, choramos juntos, eu, meu marido e o João. Foi assim que nos conhecemos.

Por alguns dias ele ficou sentido, queria se sentir o tempo todo perto de mim e eu dele, ele soluçava como se tivesse chorado muito, eu sabia que não era só por ter saído do conforto da barriga, mas por ter sido arrancado de lá. Dois meses depois e eu ainda sinto muita dor no útero, na região onde a cabeça dele estava, ainda tenho um pouco de dificuldade para urinar por causa da sonda enfiada muito rápido e que me machucou um pouco. Levei muitos pontos por dentro e por fora que demoraram mais de 40 dias para sarar e cair, no meu retorno na ginecologista ela examinou e disse que está tudo ótimo e tudo isso é normal devido ao meu parto.

Pensei muito tempo se não era dever da equipe médica me orientar a ter uma cesárea, pensei tantas maneiras de como esse sofrimento para mim e pro João poderia ser evitado, até perceber que isso não importa mais, que isso só vai valer para o caso de uma próxima gestação, que não podemos mudar aquele dia e no fim por pior que pareça aquilo salvou meu filho e estamos aqui nós três vivos e felizes.

Thamy P.

@esperancaposperda

 

Acredito que todo relato de parto é incrível porque além de nos inspirar, vemos como somos humanas e dependemos das mãos de Deus para nos proteger e guiar.

Sigam a Thamy no Instagram e acompanhem o desenvolvimento do João!

 

Uma semana abençoada para vocês!

Beijos,

Karin.

Mãe do Cauê e da Catarina 🙂




Comente

Confira também