skip to Main Content
Obesidade Afeta A Vida Sexual Masculina

Obesidade afeta a vida sexual masculina

Homem não gosta muito de ir ao médico, normalmente é impulsionado pela esposa ou por uma necessidade. São brincalhões quando o assunto é o excesso de barriga. O aumento da obesidade transformou o problema em uma verdade epidemia mundial, sendo que os mais afetados são os homens.

Dados atuais dão conta de que 700 milhões de pessoas ao redor do globo estão acima do peso. No Brasil, a briga com a balança atinge metade da população e o cenário também abre espaço para comorbidades, que acabam afetando a saúde, a longevidade e o bem-estar.  Quando começa a afetar a saúde e principalmente a vida sexual masculina é que os homens se sentem incomodados e decidem procurar um médico especialista.

A impotência sexual masculina ainda é ignorada pela maioria da pessoas como uma das consequências da obesidade. Conforme pesquisa da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) cerca de 83% dos homens maduros, ou seja, com idade entre 50 e 70 anos, não relacionam a obesidade à disfunção erétil e, entre os mais jovens, entre 18 e 22 anos, o número sobe para 89%. Quando perguntados sobre o motivo do problema, apenas 17% credita à obesidade, enquanto que 20% culpa o estresse e o excesso de trabalho.

O desconhecimento, segundo o médico urologista Raphael Lahr, prejudica ainda mais a saúde masculina, já que os cuidados são protelados. Ele explica que a gordura localizada, sobretudo na barriga, aumenta a produção de uma série de hormônios, entre eles, os estrogênios. “Essas alterações provocam mudanças significativas no organismo, como a baixa concentração de testosterona no sangue, ocasionando em uma série de desajustes fisiológicos, incluindo a temida diminuição da libido masculina”, aponta.

Hipogonadismo

Se não tratada a tempo, a disfunção erétil tende a se agravar. Isso porque, homens maduros produzem menos testosterona, consolidando uma condição chamada de hipogonadismo. Além do comprometimento da atividade sexual, a tendência é que sejam diagnosticadas também alterações nos ossos, na memória, nos músculos, no metabolismo e até mesmo no estado psicológico do paciente. “Com o avanço da idade, a função de produção de testosterona pelos testículos declina progressivamente. Não é raro encontrar casos de depressão relacionados a esse desequilíbrio hormonal”, relata.

Receba dicas e conteúdos sobre gravidez, maternidade e criação de filhos. Compartilhando aprendemos mais

A obesidade pode afetar a fertilidade masculina?

Sim. Nos homens obesos, há uma maior produção de estrogênios (hormônio feminino) por parte do tecido adiposo (gorduroso) e isso leva à uma diminuição dos níveis de testosterona. Com essa alteração nas taxas hormonais, há uma alteração no controle do eixo neuroendócrino, acarretando diminuição na produção e qualidade dos espermatozoides (espermatogênese).

Cientificamente falando, acredita-se que o aumento dos níveis de estrogênio nos homens obesos se deva a uma maior taxa de conversão de androgénios em estrogénios, em resultado do aumento do tecido adiposo e, consequente, maior disponibilidade da enzima aromatase. O médico urologista explica que em comparação com os androgénios, nomeadamente a testosterona, o estrogênio é biologicamente mais ativo, mesmo em concentrações baixas, apresentando atividade biológica significativa a nível do hipotálamo e hipófise. Assim, uma pequena mudança nos níveis de estrogênio circulante pode conduzir a uma alteração substancial nos mecanismos de regulação do eixo HHG, com reforço do feedback negativo na secreção da hormona libertadora de gonodotrofinas (GnRH) pelo hipotálamo e da FSH e LH pela hipófise, com efeitos negativos diretos no perfil hormonal e, consequentemente, na espermatogénese.

 

A maneira mais eficiente de evitar e combater a queda da testosterona, segundo o médico, é manter uma vida saudável, com alimentação regular, prática de atividades físicas e controle do ganho de peso. “Estar obeso também pode desencadear doenças cardiovasculares e diabetes, além de prejudicar diretamente a qualidade de vida, com a sensação constante de perda de energia”, alerta.

Lembre-se de inscrever em nossa newsletter e ficar por dentro dos conteúdos dos Mamãe & Cia!

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey’s Anatomy!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top