skip to Main Content

Pesquisa mostra como o cérebro da mãe reage ao choro do bebê

Pesquisa Mostra Como O Cérebro Da Mãe Reage Ao Choro Do Bebê

A cena da imagem é típica de uma mãe que tenta acalmar seu filho, que por alguma motivo, chora. Uma equipe liderada por pesquisadores do Instituto Nacional de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano de Eunice Kennedy Shriver (NICHD) partiu para explorar os padrões de como o cérebro da mãe reage ao som do choro do seu filho.

Receba dicas e conteúdos sobre gravidez, maternidade e criação de filhos. Compartilhando aprendemos mais

Marc Bornstein, Ph.D. – chefe da Seção sobre Investigação Infantil e Familiar do NICHD – liderou a pesquisa, e os resultados foram publicados na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

De acordo com o novo estudo, ouvir o grito de uma criança ativa áreas cerebrais associadas ao movimento e à fala, e certos padrões cerebrais e comportamentais são universais em muitas culturas.

Comportamento consistente com a atividade cerebral

Para analisar a resposta materna, os pesquisadores analisaram o comportamento de 684 mães em 11 países – “Argentina, Bélgica, Brasil, Camarões, França, Israel, Itália, Japão, Quênia, Coréia do Sul e Estados Unidos” – representando uma ampla variedade cultural.

Na primeira parte do estudo, eles registraram e monitoraram e analisaram o cérebro da mãe  e de como ela regia com o bebê no período de uma hora. Durante esse período, a equipe procurou sinais de carinho, distração, educação e conversa.

Exemplos de comportamento nutricional incluíam alimentar o bebê e mudar sua fralda. Além disso, a equipe analisou a freqüência com que as mães pegaram os bebês no colo.

O Dr. Borstein explicou que, tipicamente, as mães pegaram, seguraram e conversaram com seus filhos dentro de 5 segundos depois de ouvi-los chorar.

As mães também se envolveram em vários outros comportamentos “às vezes”, disse o pesquisador, mas era evidente que essas duas ações eram “preferidas, rápidas e robustas”. Além disso, os resultados podem ser generalizados de forma transcultural.

Então, “Na segunda parte do estudo, pedimos 43 mães de três culturas diferentes para fazer o exame de ressonância magnética enquanto examinavam o cérebro da mãe ao ouvir o choro do seu próprio filho. Os estudos revelaram atividade aprimorada em territórios cerebrais concordantes ligados à intenção de se mover e falar, processar estimulação auditiva e cuidar.

Essas regiões cerebrais eram a área motora suplementar, regiões frontais inferiores, regiões temporais superiores, mesencéfalo e estriado.

Forças e limitações do estudo sobre o cérebro da mãe

Falando para o MNT sobre as descobertas, o Dr. Bornstein disse: “Ficamos surpresos pela relativa consistência dos padrões de respostas comportamentais das mães em todo o mundo”.

Ele apontou mais pontos fortes da pesquisa, dizendo: “Nós também estudamos cérebros de quase 100 mães em três países através da ressonância magnética e também encontraram padrões consistentes de respostas cerebrais”.

No entanto, o Dr. Bornstein também destacou algumas limitações ao seu estudo: “Para a parte comportamental, estudamos participantes de 11 culturas”, disse ele, “mas esses participantes não eram representativos de todas as nações, é claro, e para o cérebro parte estudamos participantes em três culturas, e o mesmo é válido “.

“Finalmente”, concluiu o Dr. Bornstein, “este não foi um experimento, mas a coordenação de dois conjuntos de observações: sobre comportamento e cérebro“.

Compartilhando esse texto porque achei simplesmente fascinante saber como o cérebro da mãe se comporta ao choro do seu filho. Mostrando que é puramente instintivo e que não importa a nacionalidade, todas protegemos e cuidados de nossos filhos da maneira mais simples e singela que existe: colo, carinho e amor.

Back To Top