09000i9

 

Não tenho certeza onde vi essa frase pela primeira vez. Mas desde que a conheci nunca esqueci – Gentileza gera gentileza – Aí você se pergunta quando posso demonstrar que sou gentil? Então vamos lá…

  • Ao ceder um assento no ônibus para mãe com criança ou pessoa idosa;
  • Não furar a fila;
  • Não andando feito doido no trânsito;
  • Ao parar na faixa de pedestres;
  • Ao falar em tom apropriado em alguns lugares como cinema e hospitais, por exemplo;
  • Ao agradecer;
  • Ao dizer: “bom dia” pro porteiro, servente ou vizinho;
  • Ao desejar “ótimo dia de trabalho” para atendente de padaria, etc.

Nosso dia-a-dia permite que nós criemos impacto na vida das pessoas tanto de forma positiva quanto negativa. E diante dessas situações é que nossos filhos estão nos observando… E agora José?

O que nossos filhos estão aprendendo conosco? Será que é o tipo de comportamento que nós queremos que eles tenham no futuro? Será que se eles nos copiarem serão no futuro os filhos que nós sonhamos que eles seriam?

Acredito que educação vem de casa, assim como o respeito e empatia. Cabe a nós pais ensinar aos filhos os “bons modos”. Educar nem sempre é fácil, exige empenho, determinação e persistência. Cabe a nós dizer “não” para as atitudes desvirtuadas. Ensinar-lhes que as pessoas têm necessidades e sentimentos e que o mundo não gira só em torna da criança.

Tânia Zagury em seu livro Educar sem culpa ela diz “nossas queridas crianças não vem ao mundo com esse saber, que é um saber adquirido, uma aprendizagem social. E que nós pais somos os principais responsáveis por ensinar-lhes esse tipo de atitude” (p.64), aqui ela se refere que nós pais deveríamos dizer ‘não’ aos filhos sempre que nós percebermos que eles ainda não entenderam os conceitos das normas sociais ou então quando percebemos que na verdade foi apenas um esquecimento dos valores de civilidade, respeito ao próximo e também de honestidade.

Ela traz reflexões profundas a esse respeito e às vezes se torna tão cômodo pra nós pais deixar nossos filhos pintarem o sete. Mas na verdade temos que ter consciência que estamos educando pro futuro. Nossas decisões como pais irá influenciar na sociedade que virá.

A sociedade daqui a uns anos poderá ser de pessoas mais conscientes, que respeitam o próximo e a natureza. Poderá ser uma sociedade que sairá da utopia dos livros e da teoria, se tornará realidade… Tudo por causa das nossas atitudes de hoje com nossos filhos.

Quero encerrar esse post com uma frase do livro: “Se não educarmos nossos filhos para as pequenas coisas, não os educaremos para as essenciais.” (p.65)

E vocês o que pensam a respeito? Concordam ou discordam? Como vocês acham que podemos melhorar a sociedade do presente e do futuro? Vocês acham que nossos filhos aprendem observando a nós pais?

 

Beijos

Karin

 

Se você gostou deste post, talvez queira ler mais:

Mãe do Cauê e da Catarina 🙂





Confira também