skip to Main Content

Como falar sobre educação digital com crianças e adolescentes?

É difícil, hoje em dia, conhecer uma criança que não domine os smartphones e jogos eletrônicos, ou um adolescente totalmente alheio às redes sociais e ao mundo virtual. Este é o contexto atual da sociedade e, por isso, ensinar sobre educação digital se tornou tão necessário quanto aprender matemática e português.

Receba dicas e conteúdos sobre gravidez, maternidade e criação de filhos. Compartilhando aprendemos mais

Segundo o especialista Raphael Rocha Lopes, são a conscientização e o debate que irão reduzir os efeitos negativos que a internet pode causar quando usada de forma irresponsável e sem os devidos limites. Advogado e professor com foco no direito digital, Lopes salienta que diversos estudos estão apontando uma crescente relação entre as redes sociais e o suicídio de jovens e adolescentes, ao ponto, em alguns países, o assunto estar sendo discutido sob a perspectiva da saúde pública.

Conforme o profissional, outro fator que leva a estas conclusões é o aumento dos índices de depressão na faixa dos 14 aos 21 anos, de 2009 a 2017. “Coincidência ou não, os smartphones surgiram em 2007 e os aplicativos de redes sociais para estes aparelhos, a partir de então, multiplicaram-se exponencialmente”, comenta.

Assédio virtual, cyberbullying, cyberstalking, ameaças, vazamento de fotos íntimas, uso inapropriado e prolongado, distorção da realidade e superexposição são apenas algumas das situações que crianças e jovens estão sujeitos na internet, tanto no papel de vítima como no de autor da violência. “Por esses motivos, a conversa dos pais com os filhos, apresentando responsabilidades e consequências, é crucial. Todos saem perdendo com atitudes impensadas ou vingativas. Às vezes, os traumas são para uma vida inteira”, destaca Lopes.

O especialista também acredita que o diálogo familiar pode eliminar preocupações exageradas. “Em casos de desafios irresponsáveis que surgem nas redes sociais, por exemplo, é provável que os filhos saibam mais e há muito mais tempo do assunto do que os pais. Talvez eles tenham plena consciência de que é uma brincadeira estúpida ou não conheçam ninguém que tenha feito ou que tenha interesse em fazer. E os pais só saberão disso se conversarem com seus filhos”, observa.

Outra dica do profissional é limitar o uso de tecnologias de acordo com a faixa etária e incentivar a prática de atividades ao ar livre. Além disso, os pais devem supervisionar o conteúdo que está sendo acessado e mostrar como o uso saudável da internet pode ser benéfico para o aprendizado e comunicação.

Lopes ainda faz uma análise entre o mundo físico e virtual, alertando que, a mesma preocupação que a família tem com as amizades e lugares que a criança e adolescente frequenta na vida real, deve existir com o universo digital. “Os riscos são semelhantes e exigem cuidado, orientação e acompanhamento”, pontua. 

 

Sobre Raphael Rocha Lopes

É professor e palestrante com foco nas consequências da inovação, transformação digital e disrupção no comportamento da sociedade e no direito digital. É idealizador do projeto Disrupção.TUDO. Advogado especialista em Direito Civil e Direito Digital, Raphael Rocha Lopes foi presidente da OAB/SC (Jaraguá do Sul) por duas vezes e participou da elaboração de diversos projetos de lei de relevância social, quando Procurador-Geral do Município de Jaraguá do Sul.

Back To Top