Quando o bebê nasce tudo que ele quer é continuar se sentindo seguro. Ele acabou de sair de um lugar escuro, quentinho e tranquilo e entra em um lugar cheio de luz, barulhento, seu corpo está estranho com muito espaço e ar em seus pulmões, tudo mudou! Quando o médico coloca em contato com a mãe, o bebê se tranquiliza e, instintivamente, começa a procurar o seio.

A melhor coisa que uma mãe pode fazer por seu filho após o nascimento é oferecer o peito para que ele possa aprender a mamar e a receber a vacina da natureza. Assim é chamado o colostro, um líquido pegajoso e amarelado riquíssimo em nutrientes e anticorpos que são passados da mãe para o filho, dessa forma, o bebê se torna protegido a todas as doenças que a mãe já teve. Esse é o primeiro leite que o bebê mama e sua produção pode durar até o sétimo dia após o parto e aos poucos o colostro vai sendo substituído pelo leite maduro. O colostro também é leite e consequentemente, sustenta!

A Organização Mundial da Saúde e a UNICEF recomendam a amamentação na primeira hora de vida como fator de proteção para a mortalidade infantil. Além do bebê receber os anticorpos da mãe, diminui os riscos de infecção, ajuda o bebê a manter a temperatura equilibrada por causa do calor e colo da mãe, também ajuda com que ele fique mais calma e chore menos. O fato do bebê mamar no peito estimula a contração uterina materna, libera a produção de ocitocina e isso vai fazer com o que o leite maduro desça mais rápido. Quanto mais seu bebê mamar, melhor para a saúde dele.

Mãe do Cauê e da Catarina 🙂





Confira também